Restaurantes estilo self service, você tem medo?

 

Muito pacientes me perguntam sobre o que fazer quando estão fora de casa.  Na maioria dos casos esses pacientes almoçam em restaurantes todos os dias. Bom, caso você não consiga ou não possa levar sua marmita ao trabalho, restam algumas opções de restaurantes e locais de alimentação. Uma delas é o restaurante self service.

Obviamente que levar a sua marmita é mais interessante, sabemos exatamente o quanto de óleo  e sal estamos utilizando, não usamos temperos industrializados e sabemos a procedência de todos os alimentos, mas se essa não é sua rotina, é possível ter uma alimentação bacana em restaurantes prestando atenção em alguns pontos.

Primeiramente, a maior queixa desses restaurantes é a grande variedade de alimentos, que para mim, é mais uma vantagem do que uma desvantagem, porém muitas vezes acabamos pegando de tudo um pouco e fazendo um prato muito além da nossa fome. Então, chegando ao restaurante, dê uma olhada em todos os alimentos disponíveis e escolha dentro de uma refeição equilibrada o que você vai colocar no prato, não fique triste caso tenha muitos alimentos que você goste, normalmente nos outros dias esse preparo vai estar lá novamente e você vai poder comer normalmente.

Deixo aqui a figura do prato saudável para ilustrar um pouco. Lembre-se que isso é só uma ilustração, para saber exatamente o que é melhor para você é importante consultar um profissional nutricionista, já que cada pessoa é única.

prato-02

(Imagem retirada do site Nutri Soft Brazil)

Outro ponto importante é comer com atenção, sempre prestando atenção na saciedade. Muitas vezes pegamos mais comida do que poderíamos comer, mas como essa comida está no prato acabamos comendo, isso é um erro bem recorrente. Quando comemos devagar, prestando atenção nos alimentos, acabamos comendo menos, pois nos sentimentos saciados. Caso ainda tenha comida no prato você não precisa comer, só fique atento para não repetir o erro no dia seguinte.

Tente ir ao restaurante sempre acompanhado, normalmente isso evita que se coma rapidamente, facilita também o entrosamento de grupos, aumenta o senso de pertencimento e contribui para o bom desempenho de tarefas do trabalho.

E você? Consegue levar marmita para o trabalho ou acaba comendo em restaurantes? Tem alguma dificuldade nesse sentido? Conta pra gente!

 

Ai, que saudade de Portugal e do meu bacalhau

Lembra quando falamos de restrição alimentar ? É tão gostoso comer, a comida nos traz tanta lembrança, pra que restringir, né?

Pois bem, esse final de semana foi aniversário do meu pai e eu queria comemorar em algum restaurante legal, foi ai que logo lembrei de um bacalhau com natas que comi em Portugal, logo falei “vamos procurar um restaurante português”.

Acabei escolhendo o “Ora Pois”, um restaurante situado na Vila Madalena (outro lugar que amo), de três irmãos lisboetas que tinham o sonho de ter um restaurante português, sem grandes pretensões, mas onde se pudesse comer uma boa comida a preço justo como é comum em Portugal.

O local é uma gracinha, pequeno e charmoso, todo com decoração portuguesa e com louças que são um mimo a parte.

Obviamente pedi meu bacalhau com natas. Como é gostoso comer algo com vontade e ter sensações como da primeira vez que comi esse prato, lembrei do restaurante em Porto, próximo do Rio Douro, do vinho que acompanhou e do sabor da comida. É aquela sensação do “comfort food”, da comida que conforta, que acolhe, que faz você relembrar coisas boas e gostosas, seja da sua infância, de uma viagem, de um momento especial da sua vida.

Acho que ainda vou demorar um pouquinho para voltar em Porto e desfrutar do meu bacalhau com natas, mas em caso de extrema saudade, já sei onde ir novamente.

Ah, a sobremesa estava deliciosa, não poderia faltar, né.

Vi que em fevereiro terá noite de fado, estou pensando seriamente em ir e reviver outros momentos marcantes de Portugal.

E voltando a restrição alimentar, eu poderia muito bem ter ido a Portugal e comido saladinhas em todas as refeições, mas não, eu preferi conhecer a cultura do local. Também, com a culinária maravilhosa deles… fato que quando voltei para São Paulo estava uns 2 kg acima do meu peso, afinal a rotina mudou e eu experimentei muita coisa diferente. Mas além desses dois kg, que foram eliminados com a volta da rotina, sem sofrimento, eu trouxe uma bagagem muito maior, inclusive a de poder ir em um restaurante por aqui e reviver todos esses momentos especiais que estão no meu coração.

E você, tem alguma comidinha que toca seu coração? Conta pra gente!